Os Parafusos tornam-se oficialmente patrimônio cultural de Lagarto

“Quem quiser ver o bonito, saia fora e venha ver, venha ver o parafuso a torcer e a distorcer”. É com essa música que muitos lagartenses assistem alguma apresentação do Grupo Folclórico “Os Parafusos”, cujas as origens remontam ao século XIX e que somente há 39 anos passou a ser considerado uma manifestação cultural do povo lagartense.

Entretanto, desde o último dia 14 de junho, o citado grupo folclórico uniu-se a Banda Los Guaranis e aos festejos juninos das ruas do Riachão e de Laranjeiras, ao tornar-se oficialmente Patrimônio Histórico e Cultural de Natureza Imaterial do Município de Lagarto.

A união se deve a sanção da Lei nº 850, aprovada pela Câmara Municipal de Vereadores e sancionada pela Prefeita Municipal, Hilda Ribeiro (SD). Contudo, o reconhecimento não mudou muita coisa. Uma vez que, para Maria Ione, presidente da Associação Folclórica de Lagarto (Asflag), Os Parafusos já são um patrimônio todo o Sergipe.

Maria Ione comemorou a sanção da lei municipal

“Para mim e para o grupo, ele já é patrimônio não somente para o município de origem, Lagarto, mas também para o estado, que é uma referência cultural para o Brasil. Mas é muito bom e importante, principalmente, nesse momento de crise na cultura, a existência dessa lei. Por isso, parabenizo o povo lagartense, pois agora temos como falar que o grupo é patrimônio, mostrando os documentos”, comemorou Ione.

Segundo o historiador e professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Dr. Claudefranklin Monteiro, em escrito divulgado no Blogger História e Cultura de Lagarto, Os Parafusos tornaram-se nacionalmente conhecidos quando foram convidados para participar do Festival de Folclore de Olímpia, em 1980.

De acordo com Claudefranklin, o grupo remonta aos tempos da escravidão (Foto: ALEX-SOUZA)

“Não há quem não se contagie com as peripécias acrobáticas de seus brincantes, exclusivamente homens. Talvez porque no início eram homens negros e escravos que roubavam às vestes das sinhazinhas, quando estas quaravam à luz da lua cheia, para disfarçados fantasmagoricamente fugirem dos capitães do mato”, escreveu Monteiro em sua crônica.

 Fonte: Lagartense.com.br

Notice internal 1d9b204dfbbcf523

Anunciantes