Cover city 18bd5f66835df688

ESTÂNCIA

Estância, cidade localizada a poucos  66 km da capital, Aracaju, é considerada a Capital Nacional do Barco de Fogo, Berço da Imprensa Sergipana, cidade cultural e musical. O centro histórico, que resiste ao tempo, proporciona ao visitante sobrados cobertos por azulejos portugueses, além de uma vila operária e o fabrico dos tradicionais fogos de artifícios, principalmente, o sergipaníssimo barco de fogo.

O município ganhou esse nome ainda em tempo de povoamento, no século XVII, quando os seus primeiros colonizadores, notadamente , o mexicano Pedro Homem da Costa,  por conta da quantidade de propriedade de criação de gado e dos estancieiros.

A sede municipal não fica na zona litorânea, mas localiza-se às margens da BR 101, no território Sul de Sergipe, com uma população estimada em 69.184 hab (Dados IBGE 2019)  seu primeiro povoamento data de 1621. Seus primeiros passos econômicos seguiram em direção ao cultivo da cana de açúcar e à criação de gado, devido, ao fator geográfico de estar entrecortada   pelos rios Piauí e Piauitinga,  facilitando  sobremaneira as duas atividades.

A sede municipal já possui catalogados mais de 46 casarões coloniais, alguns deles no entorno do denominado Paço Municipal. Mas a constante reutilização para lojas comerciais e a ação do tempo,  sem restauros, têm descaracterizado o patrimônio histórico da cidade.  Entretanto,  ainda se constitui num bom destino a ser visto da arquitetura colonial em Sergipe.


Informações : Secretaria da Cultura e Turismo. Fone:  (79) 3522-0131

CURIOSIDADE

Attraction category big 8754288c7883eb36

Não deixe também de conhecer a história de Jorge Amado na cidade. O pai do escritor Jorge Amado, o coronel João Amado de Faria (1880 - 1962), era sergipano, de Estância, filho de José Amado, também sergipano. Jorge Amado manteve laços familiares com primos e avós em Estância (SE) e no litoral norte da Bahia, a exemplo do povoado Mangue Seco (Jandaíra), onde passava temporadas. O primo dele, Gilberto Amado, também fez história na cidade sergipana.

O escritor baiano exilou-se em terras sergipanas do regime de Getúlio Vargas por sua ligação com a Intentona Comunista, onde viveu o período de 1936 a 1939 mais uma vez na cidade de Estância. Nas terras estancianas, a Papelaria Modelo, a Sociedade Monsenhor Silveira e o Hotel Vitória tiveram papel importante em sua vida. Neste último, Jorge Amado residiu durante algum tempo e com seus proprietários estabeleceu uma relação quase que familiar.

Há pesquisas que ressaltam a importância da passagem por Sergipe em suas obras e confirmam que o período foi o mais auspicioso do escritor, quando escreveu parte de Capitães de Areia e Mar Morto, além de trazer personagens que povoaram alguns dos seus livros, como Gabriela, Tereza Batista e Tieta do Agreste.

 

Anunciantes