Cover city 7a3328debf4d437d

ROSÁRIO DO CATETE

Ao trafegar na rodovia que corta a BR-101, no sentido de Aracaju a Propriá, logo se vê na entrada da cidade de Rosário do Catete uma grande imagem de nossa Senhora do Rosário, além de muitas barracas de vendedores de milho. Mas só passando não dá para ter uma ideia do que foi esse município no contexto histórico nacional e, em especial, na história Política de Sergipe.

As terras ocupadas pela Cidade de Rosário do Catete pertenciam ao antigo engenho Jordão, de propriedade de Jorge de Almeida Campos, que as doou para construção da capela de Nossa Senhora do Rosário.

 Sabe-se que foi onde que nasceu João Gomes de Melo, o Barão de Maruim, no engenho Santa  Barbara de Baixo, o mesmo foi responsável pela assinatura da ata de mudança da capital de São Cristóvão para Aracaju, fato que aconteceu no Engenho “Unha de Gato” pertencente a uma família de portugueses, posteriormente ao Barão.

A História de Rosário do Catete tem início em 1575 quando houve a primeira tentativa de conquista de Sergipe por Luiz de Brito, governador da Bahia, é a referência mais antiga. Bem próximo ao local em que a atual cidade se encontra existia uma aldeia de índios que viviam às margens de um rio e sob o comando do índio Siriry.

A povoação rosarense crescia tanto que por volta de 1828, a Câmara de Santo Amaro resolveu transferir para Rosário a sede do município de Maruim. Os habitantes de Santo Amaro e Maruim declararam guerra entre si, o governo da província acabou intervindo e ratificando a decisão da Câmara de Santo Amaro. Em uma só assinatura, a povoação de Rosário do Catete passava à freguesia, vila e sede de município, mas isso durou pouco. As reações de Maruim foram fortes, em 3 de fevereiro de 1831, Rosário volta a pertencer a Santo Amaro  como povoamento e  freguesia. Cinco anos depois, ela se tornava Vila de Nossa Senhora do Rosário do Catete, assim a cidade nasceu após  a Revolta de  Santo Amaro.

Sede de Assembleia Legislativa do Estado e Sede  do Governo

Foi sede da Assembleia Legislativa  na  eleição para o Senado da República em 1894. Em meio a contendas, José Calazans transferiu a sede do governo sergipano de Aracaju para a cidade de Rosário do Catete.  A Assembleia funcionou na rua de baixo e o governador despachava no Paço Municipal, segundo a descrição de alguns documentos.

*Prefeitura Municipal de Rosário do Catete. (79) 3274-1216 / 1260 / 2016

PATRIMÔNIO MATERIAL

Attraction category big 1d2ee616687336e8

O patrimônio material é composto por um conjunto de bens culturais tais como igrejas, engenhos, sobrados e residências centenárias que fazem parte do orgulho  maior dos seus moradores     classificados, segundo sua natureza, conforme  está sendo inventariado  na gestão do  Prefeito  Etelvino Barreto.

CAPELA DA FAZENDA CALDAS

Attraction 2335e8e6b471298f

Onde foram enterrados os restos  mortais do  General  Augusto  Maynard Gomes.  Com a venda da fazenda seus restos mortais foram transferidos  para o cemitério  Santa Isabel, em Aracaju 

CASA DAS IRMÃS DE CARIDADE

Attraction bbdc2935af2841ba

Antiga casa de Augusto Maynard Gomes, ex-governador de Sergipe, abriga atualmente as irmãs de caridade São Vicente de Paula.

ENGENHO SERRA NEGRA

Attraction 90c5d58967fa3849
Chaminé do Engenho Serra Negra

Atualmente só existe uma chaminé no local do engenho. O Serra Negra foi uma pequena propriedade, mas de altíssima produção, ele tinha uma casa simples de pedras, imponente. Ele foi o engenho mais importante do século XVIII para o XIX, pertenceu a Leandro Maciel (pai), que tinha a visão mais alta sobre os outros, o engenho só entra em declínio quando Leandro Maciel (pai) tem a necessidade de aumentar a produção e a necessidade de uma casa maior por causa da família grande e ele o abandona e vai para Japaratuba para o engenho Entre Rios com uma maior propriedade e na região litorânea. Rosário do  Catete   teve outros engenhos   de grande  relevância  para a história econômica do estado, tais como: Santa Barbara, Paty, Bom Nome, Oitocentas, Lagoa Grande, Saco, Sitio Novo, Catete velho  e Novo, Jurema, Piripiri, Várzea, Jordão , Jucurema,  Salobro, Cajá, Marrecas, Bom Sucesso, Capim Assú, Jenipapo, Vazia Grande, Cumbe, Ilha e Campo Redondo.

ESTAÇÃO DE TREM

Attraction bb8512f4aa76f470

Inaugurado em 1914 essa mesma está passando pelo processo de tombamento pelo IPHAN, chamado de “valoração”, será o 1º Tombamento a nível   Nacional da cidade. Alguns acontecimentos  históricos marcaram  a história  da estação férrea, sendo  palco de  vários  episódios.  Em 1924 serviu de embarque de tropas  dos tenentes  na revolta de 24  comandada por Maynard  Gomes, armando vagão  de Trem  com canhão  a combater tropas  legalistas  em Carmópolis.  Na década de 1933 desembarca o então Presidente do Brasil o sr. Getúlio Vargas para inauguração da Ponte de Pedra Branca. Serviu como terminação de escoamento de açúcar e mais tarde como terminal de carga  de Potássio,  sendo usada pela Vale do Rio Doce. Hoje é sede  da banda  de Música Luís Ferreira Gomes.  

GRUPO ESCOLAR LEANDRO MACIEL

Attraction 12bf2306f3f2fdcb

Construção da década de 1930 por Augusto Maynard Gomes .

IGREJA MATRIZ NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO

Attraction 201305c64cf660f7Foto por: Silvio de Oliveira

Construção do século XVIII. Teve sua construção em 1746 e a irmandade é  criada  em 1779. O convento dos franciscanos abrigou a irmandade de São Benedito no século XVIII. Outro lugar que o santo era venerado era na povoação de Rosário do Catete, pois na capela da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos homens pretos e pardos.

IGREJA NOSSA SENHORA DE NAZARÉ

Attraction 3f9ef85114759eb4

Construída em 1709, foi demolida  e construída  outra  no mesmo lugar em 1864, fazendo  parte do engenho  Catete Novo  pertencente ao Barão de  Maruim.

IGREJA NOSSA SENHORA DO AMPARO

Attraction c05c8d2ae31f9d54

Foi construída no século XIX e restaurada em 1946 por Simeão Machado.

SOBRADOS

Attraction f1d7f03638de1934

Segundo alguns historiadores, esses dois sobrados têm sua construção na primeira metade do século XIX,  (1823 ) sendo construídos por dois portugueses que tinham comércio em Maruim, o maior foi construído por José Tavares o menor por Domingos Borges. Hoje abriga a Secretaria de Cultura com intenção de se transformar no Museu da Cidade .

Anunciantes